11 técnicas de comunicação precisa

two young woman shake hands warmly with guns behind

11 técnicas de comunicação precisa que ajudam para que as pessoas se percebam melhor, preencham as mútuas expectativas e evitem conflitos. Você pede a um empregado para fazer algo que para si é tão óbvio como as palavras que está lendo agora. Você lhe diga aquilo duas vezes para ter a certeza absoluta, para que não haja dúvidas nenhumas. Você acha impossível que ele não perceba, porque é só uma questão de execução.

Você sabe perfeitamente o que vai ler a seguir? Claro que sabe. Já lhe aconteceu centenas de vezes. E não só em relação aos empregados, mas também em relação a sua mulher, seu filho, seus amigos. Eles não perceberam. Fizeram aquilo diferente do que você queria. Ou não fizeram. Independentemente da explicação, um fato simples não vai mudar – não há o resultado. Você fica frustrado com isso, a qualidade da sua relação desce e você começa a pensar o que possa fazer melhor da próxima vez. As seguintes 11 técnicas vão ajudar você com isso.

Fale inequivocamente

Se o que você diz é ambíguo (a expressão «fechar a janela» é equivoca, mas «melhorar a relação» já não é), você corre o risco da sua mensagem ser percebida diferente do que você planeou. Um erro comum é o chefe dizer a um empregado: Faça isso bem, mas o empregado tem uma outra percepção da palavra «bem». Em vez disso, você deve dizer: Com o cliente X atinja o resultado planeado do qual falamos.

Use ordens executáveis

Se o que você diz fisicamente não pode ser executado, então estamos a falar de comunicação imprecisa e vai causar distorções. Um pai diz ao seu filho: Seja bem-comportado, e o comunicado não só é ambíguo (a palavra «bem-comportado»), mas ainda por cima contém o verbo «ser» que não pode ser executado. Uma ação pode ser pegar (ex. chaves), beber (ex. água), mas não «ser»; analogicamente uma ação não é esquecer (a ordem: «Esqueça o número 4» é inexecutável). Em vez disso, um pai deve dizer: Fale mais baixo (se for isto em que está a pensar quando diz «seja bem-comportado»).

Demonstre

Se aquilo o que você pede não pode ser demonstrado por si, então provavelmente a outra pessoa não vai poder adivinhar em que exatamente você estava pensando. Mostre! Se um cônjuge diz: Me ame, deve mostrar aquilo duma maneira verbal e não verbal (por exemplo, chegando ao outro cônjuge e dando-lhe mimo, depois dizendo com uma certa voz as palavras: eu amo você). Cada comunicado completo deve, dentro do possível, conter palavras e demonstração.

Fale de futuro

Você não pode mudar o passado, por isso, lamentá-lo vai dar só no aumento da frustração. Mas você pode influenciar o futuro. Dando feedback a alguém, fale sempre daquilo que possa ser feito melhor da próxima vez. Em vez de dizer: Fez isso mal, diga: Quando você fizer isto da próxima vez, se certifique que… e aqui coloque comunicados concretos que cumpram os requisitos de comunicação precisa.

Apresente exemplos concretos

O cérebro não vai guardar informações com tom abstrato e teorético, por isso, suporte seu comunicado com exemplos com os quais seu interlocutor se possa identificar. Em vez de dizer só: Comunicação precisa é importante, diga: Lembra-se de falar na semana passada com o João e de lhe dizer onde, quando, o que e com quem exatamente vai acontecer? Isto significa que você comunicou duma maneira precisa.

Abandone nominalizações

Nominalizações são substantivos abstratos derivados de verbos (ex. comunicação) ou adjetivos (ex. gentileza). Não podem ser visualizados, não são concretos e causam distorções. Por isso, não diga: Saúde é importante, diga: Corra 3 vezes por semana antes do café de manhã e você vai estar mais saudável. Não diga: A nossa relação está crescendo, diga: Quando ontem você me deu flores, me senti tão feliz e imaginei que você deve gostar de mim. Exemplos de nominalizações: felicidade, incerteza, comunicação, força, fé, beleza, motivação etc.

Abandone duplos sentidos

Amor, você quer mesmo sair com esse vestido? Olha, a pouco tempo comi uma sopa parecida e era muito boa. Os exemplos referidos são politização de comunicação, onde em vez de dizer ao interlocutor exatamente de que se trata, muda-se o comunicado para que a outra pessoa «possa adivinhar, mas não se possa sentir ofendida». Estas medidas causam desconfiança. Você vai evitá-las falando abertamente de que se trata, se for necessário – usando um tom de voz mais suave. Amor, lembra-se do vestido que você vestiu na festa do João e da Maria? Acho que lhe fica melhor do que o preto pois com ele você mostra o seu corpo perfeito.

Quando você fizer um pergunta, dê liberdade de resposta

Nem todas as perguntas servem para perguntar, certo? Não é verdade que quando uso um comunicado como este, já tenho uma opinião e embora ele tenha a forma de pergunta, na verdade a resposta não me interessa? É uma pergunta por informação ou talvez pela confirmação da nossa opinião? Se você fizer uma pergunta, deixe que a outra pessoa diga o que achar apropriado. Se você não quiser saber a resposta da outra pessoa, não pergunta.

Você quer ter razão ou resolver um problema?

Em vez de conversar para provar a sua razão, o que sempre cria o mecanismo «vencedor-vencido», se concentre em resolver o problema e encontrar uma solução construtiva para os dois lados. Provar a razão é um caminho egocêntrico que se vai concentrar em pensar em categorias individuais em vez das de equipa. Assim você vai ganhar inimigos, por isso, independentemente de qual lado seja a verdade, procure soluções onde todos são vencedores.

Faça ligações entre declarações

É algo que todos conhecem: você está contando uma história quando inesperadamente, no momento mais importante, alguém o interrompe e muda de tema. Esse tipo de falta de subtileza é muitas vezes visto como falta de respeito. Para evitar esse problema você deve usar ligações entre declarações: quando você tem de interromper alguém, diga: Sua história me lembra que… Ou toque no ombro da pessoa e introduza o seu comentário. Depois de você ter feito o comentário, repita a última frase da pessoa, por exemplo: Você estava a falar de X, eu interrompi você. Pode continuar, por favor, este tema despertou o meu interesse?

Use frases simples

Um comunicado construído por orações coordenadas, quer dizer por orações com vários predicados, é tão difícil de lembrar que a pessoa que está ouvindo você depois de algum tempo vai simplesmente desligar e assim não se vai lembrar do comunicado completo, como neste caso. Use então frases simples. Diga uma coisa e acabe. Só depois comece uma coisa nova. Faça pausas entre frases. Isto facilita a memorização. Assim como nos exemplos.

 

 

No Comments